TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL

Flórence Diedrich

26 de março de 2017

Psicologia Psicoterapia Individual
mental-health

   A Terapia cognitivo-comportamental (TCC), é uma abordagem terapêutica, comprovada cientificamente através de diversos estudos, utilizada para nortear o trabalho psicoterapêutico. Ela postula que não são os acontecimentos em sí, mas sim a forma como os indivíduos os interpretam, que afeta a maneira como se sentem e, consequentemente, como se comportam.

  Desta forma, a TCC entende que existem pensamentos conscientes, que surgem rápida e espontaneamente, como forma de interpretação imediata das situações que vivemos, chamados de "pensamentos automáticos". Estes pensamentos são decorrentes de crenças disfuncionais mais profundas que temos, a respeito de nós mesmos, do mundo e do futuro. Estas crenças (chamadas de crenças nucleares), são estabelecidas precocemente e atuam como filtros através dos quais processaremos as experiências e informações ao longo da vida.

   Geralmente, a "forma como costuma pensar" ou processar informações é tão comum ao indivíduo, que ele aceita os pensamentos automáticos como "verdades absolutas", não estando imediatamente consciente dos mesmos. Porém, muitos destes pensamentos contém distorções, que se não forem testadas e tratadas, acabarão por influenciar negativamente os sentimentos e comportamentos. Desta forma, há uma relação recíproca entre a cognição e o afeto.

   A TCC trabalha para ajudar o indivíduo a realizar um automonitoramento, podendo tornar-se mais consciente dos seus pensamentos automáticos e corrigir distorções que causam sofrimento, substituindo-as por cognições mais realistas. Apesar de levar em conta toda a história de vida do paciente, a TCC é focada no presente e nos problemas atuais. É uma terapia colaborativa, focada em metas, buscando capacitar o indivíduo para que "seja seu próprio terapeuta", desenvolvendo novas habilidades de enfrentamento que possibilitem um olhar mais funcional para seus problemas e sua vida.

     



O que você achou do post?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *